sábado, 1 de maio de 2021

Dias finitos


o rio da minha geografia é o rio Acaraú
veio vindo fez morada por aqui
mas suas águas são andarilhas moram em diversos lugares
indo por fim ser infinitas no mar
o rio da minha geografia é o rio Acaraú
resistiu mas seu espaço abriga essa nova arquitetura do progresso
as vezes fica furioso e diz quem manda na cidade
estou envelhecendo e o rio também
domaram suas margens e a poluição sufoca os seus dias finitos.

Por instantes


super lua rosa
lua cheia
bolacha fogosa que se exibe nua aos olhos dos famintos
super lua rosa cheia
abóbora andante no céu de abril
lua rosa super ciosa aos olhos que se desnudam para ti
os olhos fixos nas alturas onde estás
esquecem por instantes os sofreres cá por baixo.

Junto ao tempo

não toco instrumentos mas eu canto
fiz meus filhos dormirem com minhas canções diletas
agora os meus filhos são homens feitos
tocam instrumentos e cantam para mim
que envelheço junto ao tempo. 

quinta-feira, 8 de abril de 2021

Outra vez

 teu olhar

tua fantasia

a folia que não tivemos

hoje são cinzas

ilusões ao vento

ano que vem talvez folia

talvez carnaval

talvez vida e alegria

mas sempre vem a quarta-feira

tudo silencia

tudo volta ao pó outra vez.


Das linhas de Gilberto Gil

 grão é semente

semeia-se no chão

grão solitário

dão frutos

são

estão

na terra sob o céu

grão

dão filhos

e os filhos são 

sãos

estão por aí

seguindo seus destinos

sendo sementes

na dura existência

por sorte dura

entre os mortais.


Aqui está

 a vida lateja em mim

o medo da morte

se faz parceiro

pesando nos meus ossos

durmo

acordo

e o medo aqui está.

quarta-feira, 3 de março de 2021

Proposta de poema


agora eu sou a poesia que não se escreve
nem se inscreve
longe dos meus papéis e esferográficas sinto - me inútil
bem mais que minha poesia
bem mais que os dias que vem e vão
Agora eu sou extrema inutilidade. (04/02/21)

Tecedor dos dias



contei os dias

fiquei ansioso

não fui feliz

veio o dia esperado e a decepção indesejada

agora passo como passam os dias

nada mais espero

teço dias agradáveis

e o tempo se quiser que passe. (16/01/21)

Discurso do pulso



mais de um mês sem ver teu rosto negro entre números romanos

mais de um mês sem teu peso no meu pulso

mais de um mês longe do teu olhar no meu

mais de um mês sem passar o tempo contigo

mais de um mês eu não sei com tu passas sem mim

mais de um mês e o tempo passa

sem minha atenção

antes tão atenta. (13/02/21)

sexta-feira, 1 de janeiro de 2021

Socraticamente

o tempo passa
o ano passa
eu passo
tu passas
e as malas batem
o que era novo fica velho
tecemos despedidas
o ano que virá será novo ou repetirá cenas do cotidiano
diante dos mortais?
vem-nos a metafísica
indagações de plantão
e eu só sei que nada sei. 

Até que ele venha II



suja

limpa

limpa

suja

até que finde o tempo

até que finde a respiração

e nos venha o grande sono. 

Até que ele venha I


 deito-me

falta-me o sono dileto

volto para a sala

fico entre livros

o vento da meia noite me encontra lendo

fecho o livro e fico a sentir

essa delícia eólica.