quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Cantiga para acordar


la
lar
lar lar
lala
lálá
tem
ladrões
la
lau
al
miau
vem
gatinho
aqui
tem ratinhos
raaaaaaaaaaatos!!! (21/10/17)







Olhos negros



Eu quero estar nos teus olhos negros
Eu quero rolar com tuas lágrimas pelo teu rosto
Eu quero a noite dos teus olhos negros
Eu quero a solidão dos teus olhos negros
E me aquietar sobre o jazigo
Dos meus ancestrais.


No coração do poeta


Para Pedro Lyra

tanto mar
tanto amor
no coração do poeta
tantas andanças
tantos lugares
no coração do poeta
encontros
reencontros
no coração do poeta
tanta saudade
tanta vontade de ficar
no coração do poeta
aorta
tantas portas
idas e vindas
enfim
o enfarto
a partida
no coração do poeta. (24/10/17)



Tua atenção

Vi-lhe de costas
Tuas ancas apontavam em linha reta
Se olhos tivessem olhariam
Vi-as firmes no jeans
Teus cabelos negros estavam quietos
O vento não veio brincar neles
Fiquei de pé distante de ti
Fiquei exausto de olhar-te
Fui-me sem ser digno da tua atenção. 


Em riste


Eu de pé
Ela de joelhos parecia rezar
Com meu falo na boca
Eu de pé
Afagava teus cabelos
Ela de joelhos  sem palavras
Tecia linguagens
Na extensão do meu membro em riste. 












terça-feira, 3 de outubro de 2017

Lista

Fica um retrato na parede
Fica uma flor dentro de um livro
Fica um adeus no ar
Fica a canção mais dileta
Fica a lembrança do que não se ver
Fica a camisa suja de batom
Fica tua voz nos ouvidos
Fica teu cheiro nas narinas
Fica o caminho que abandonaremos
Fica um desejo tentando se aquietar...
Tudo isso fica nos cômodos da casa, nas gavetas,
Nas paredes, na alma...
Até a vida se esgotar. (28/08/17)



Abismo

Espirro no ar
Expulso das narinas o teu cheiro
Deito os olhos no abismo
Que insiste em me olhar
Destino-lhe um beijo
E me vou
Se é pra cair
Que seja nos teus braços. (16/09/17)


Lógica


Beijo pouco, falo menos ainda
Porque tu és extremo silêncio
E quando falas é para recusar meus beijos
Até falas muito pelos teus olhos
Até me beijas muito
No tempo que passa enquanto desejo
Enquanto me imagino nos braços teus. (22/09/17)


O primeiro verso é de Manuel Bandeira


Minha pequena

minha pequena não tem os cabelos cor de abóbora
mas avermelha os lábios
haja batom
haja dinheiro pra satisfazê-la em todos os desejos
haja vigor físico pra alcançá-la
haja juventude
encontro-a em ti
e os meus dias de poeta
ficam tão engraçados
nos teus orifícios
com tantos contextos
com tantas linguagens
e os dizeres?
que se danem os dizeres
dize-me ela abraçando-me
enquanto deita silêncios nos meus ouvidos. (28/09/17)
   


sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Posse & Cia



A dele
A minha
A nossa
Adele
Canção vibrando nos meus ouvidos
Voz intensa no ar
Tua canção na minha voz
Tão pobre do teu idioma. 



No meu corpo

Para Catherine

Sei como te sentas
Vi-lhe no concerto com o violoncelo entre as pernas
Vi-me no lugar do teu instrumento
E o som que dançava no ar
Tu o tiravas do meu corpo
Senti teus dedos longos
Acolhi-os em mim
Tua voz
Teu sorriso
Teu olhar
Tudo isso em mim
Nas tuas mãos
No meu corpo.

Outra vez



teus lábios não os vejo mais
ainda os tem avermelhados com o teu batom dileto?
és ausência
notória nos meus dias
és saudade
sentida e desejosa do que nunca houve
ainda és tão jovem
acho que poucas mudanças ocorreram
correram pelo teu corpo
em mim tudo é  visível
a té o desejo de vê-la outra vez.